Já era TEMPO!

As férias já lá vão há alguns dias. Porém, entre as emergências do pós-férias ainda este espaço não ganhou o lugar que talvez deva ter, ou não, quem sabe? Eu, é óbvio, não estou convencido de uma ou outra daquelas possibilidades e, por isso - "mais vale tarde que nunca, diz o povo esse, sim, SÁBIO!" - agora, só ou já, algures decidirei, volto a este cantinho, privado quanto baste para os públicos testemunhos do que, às vezes, penso para mim com os que quiserem partilhar o resultado de tão arriscado exercício! E sublinho "arriscado" porque, nas entrelinhas do que se vai lendo por aí e não só, vai ganhando espaço a ideia (que terrível ideia!...) de que não é impunemente que algum mortal (?) se pode dar ao luxo de pensar, mesmo em privado, quanto mais para publicação?!
Onde fui eu desencantar tão estranho delírio, alguém perguntará ou, eventualmente, tentará apenas pensar, não vá a pergunta ficar sem resposta ou, pior ainda, não poder ser ignorada! Não é sem consequências - não poderá ser, pensará algum mais incauto - que a GENTE (as pessoas, sim!) voltará a valorizar tanto os silêncios que vão calar o que lhe grita por dentro!
Há coisas fantásticas, não há?...

Comentários

Rita Oliveira disse…
Diz assim o Professor Keating... "only in their dreams can man be truly free. 'Twas always thus, and always thus
will be."

Como livres pensadores... Do you agree??
quicas disse…
... não é utópico, antes motivador, acreditar que é possível ser livre acordado... mesmo que "com pesadelos" à mistura...
Rita Oliveira disse…
O pesadelo seria acreditar que só em sonhos se poderá ser livre.
quicas disse…
... ou seja, os dois, não estamos de acordo com o Professor Keating!...
E assim será sempre, espero!
Joana disse…
"Enquanto pensadores" concordo convosco...

Mas pegando na frase original... Não sei até que ponto acredito na nossa liberdade...

*
quicas disse…
Liberdade, dúvida, acreditar,... tantos temas verdadeiramente motivadores! Que bom poder ter dúvidas e não cruzar os braços!

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

amor infindo

ternura