Depressa é muito tempo!

Volto ao problema do tempo! Um problema cuja solução está tão dentro que, por mais que queira, não a vislumbro! E, se calhar, está tão à vista, tão ali ao pé, tão a jeito de quem queira, efectivamente, resolver!
É possível que seja isso, a vontade! Será?!

Foto: "Cheguei primeiro" - Cláudia

Comentários

Joana disse…
Tão parecidos que somos a filosofar...

O tempo, esse, não o compreendo... Por vezes tão fugaz, por vezes tão lento...

Incoerente, perturbador...

O tempo...

Sempre tão presente.

Beijo*

Ps- gosto das joaninhas ^^*
quicas disse…
Agarrá-lo será desafio talvez mais interessante que tentar compreendê-lo... sob pena de o perder de vez!
Tê-lo presente, no presente, e já passando...
Rita Oliveira disse…
O tempo não se "tem", não se compreende e não se perde. Vive-se.
quicas disse…
Que o conceito de tempo leva "tempo" a discutir, parece evidente; e mais se complica se, ao tentar compreender um, aparecem outros, por exemplo o de posse: "ter" / "agarrar"... - e não estaremos senão a tentar "explicar" o momento, pressupondo que, pelo menos metodologicamente, tal subdivisão "toca" algo compreensível...
Hugo Carmo disse…
Decidi viver um tempo... este pequeno intervalo de tempo em que escrevo, partilhando ideias que, num tempo qualquer, poderão ocupar o tempo vivido por outros, por um tempo.
Na distância e solidão de um ecrã preenchido de letras, mais que o tempo, acaba o espaço que me separa dos que, num instante qualquer, reconheçam o texto que noutro tempo, neste tempo, escrevo.
Será que o meu tempo é o mesmo que... o teu?
Acho que sim, sem saber, porém, em que instante(s)...
Ju Peteninha disse…
Os instantes podem não ser os mesmos, o tempo pode não coincidir, mas "a distância e solidão do ecrâ" é a partilhada por nós...

O meu tempo pode não ser o mesmo que o teu, a minha instância pode não ser a mesma, mas neste tempo que eu ocupo, que tu ocupaste já, partilhamos não só ideias, palavras, texto ou tempo... partilhamos o sentimento, o pensamento, a saudade.

É engraçado como "a distância e solidão" desta modesto ecrâ nos aproxima... Apesar do tempo, apesar do espaço... Aproxima-nos.

Beijo**

Ju Peteninha^^
quicas disse…
Não que alguma vez nos faltasse assunto ou, mesmo, "tempo" para partilhar, É BOM constatar como da interacção do(s) pensamento(s), ainda que só "por instantes", podem nascer outro tempo, outros instantes, quiçá novos porque sempre renovados, na vida que com os mesmos se vai preenchendo, apesar da apressada correria dos dias!

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

amor infindo

ternura