memórias de um castanheiro

:
Há muitos anos plantado no meio do pomar, eis que o castanheiro vê próximo o seu fim. Está velho, já curvado ao peso dos anos, tantos, prestando à humanidade os mais relevantes serviços.

Enquanto, atarefados, os serradores o vão cortando, ele começa a recordar todos os trabalhos por que passou, todas as dificuldades que encontrou durante a vida. No Inverno, o vento o forçara várias vezes, obrigando-o a inclinar-se sob a sua poderosa acção; a chuva, caindo impiedosamente, escorrera pelos seus braços até cair no chão, alagando o terreno e tornando mais sensível a sua raiz. No Verão, vergado ao peso dos seus frutos, queimado pelo sol ardente, quantas vezes clamara por alguma gota de água!
Mas, por entre tais recordações, também se lembrava das alegrias que o haviam animado: quanta felicidade sentira ao ver-se florido e verdejante na Primavera, livre estalajadeiro dos romeiros e trabalhadores nas tardes escaldantes de Verão, merenda apreciada nos magustos do Estio!

Estava velho! Ao longo da sua vida, já muitas outras árvores tinham caído a seu lado, deixando como lembrança da sua existência a sua madeira; então, mais uma vez se alegrava fortemente: também ele, depois de derrubado, iria aquecer com o seu lenho alguma casa escondida e fria do monte, ou fornecer aos marceneiros matéria-prima que pudessem lapidar!

Rendia-se, por fim, mas satisfeito, por ver que tinha sido, em toda a sua vida, um elemento útil no meio do mundo.


(... e são tantas as saudades!)



Comentários

Ju Peteninha disse…
eternamente será nosso, como eternas serão as saudades e memórias que guardaremos da passagem desse nosso tão grande, tão especial, tão nosso, "Castanheiro".

Beijo*
Hugo Carmo disse…
viajo no tempo, largo as amarras de um só momento e vagueio entre memórias, pensamentos de árvore, de folhas caídas após outra jornada de estações
pensamento da árvore que dança ao vento, canta com a chuva, ampara o orvalho na alvorada de um novo sol
castanheiro vivo, raizes fundas em tantos que contigo estão,
a cada novo sol, a tua sombra os conforta,
em chuvas de tormenta a tua musica os sossega,
em vendavais que os tentam vergar, contigo aprenderam a dançar
ouço os meus passos entre secas folhas em meu redor,
um amparo sereno delas emana, um mar de memórias em que, flutuando, encaro cada nova alvorada
Buh disse…
Faz um favor à comunidade e volta a escrever :)

Entretanto aproveita e passeia-te pelos blogs desta tua filha que muito de ti tem no que toca a esta veia da escrita (e alguma filosofia encarquilhada lá pelo meio, também) e da fotografia.

Beijos gordos* Pisquinha do Quicas*

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

Montanha

À melhor professora do mundo