de volta ao futuro, hoje, à boleia


Quando já não havia outra tinta no mundo
o poeta usou do seu próprio sangue.
Não dispondo de papel,
ele escreveu no próprio corpo.
Assim,
nasceu a voz,
o rio em si mesmo ancorado.
Como o sangue: sem foz nem nascente.





(Lenda de Luar-do-Chão in Mia Couto: Um Rio chamado Tempo, uma Casa chamada Terra)
(Foto "White and Shadow", da JU, in http://olhares.aeiou.pt/white_and_shadow_foto1800211.html )

Comentários

Ricardo Calmon disse…
Amado Fraterno Amigo Quicas:

Yessssssssssssssss,mar bravio,após recado seu de à casa retornar,esplendido ficou,em paz e calmaria,veja ,pois pois,com vídeo lindo esse,mais a poética de exalar teu,não tem sol que luz não irradie,não tem nem um só dos girassois de campos meus,que uníssonos, deixem de te mirar e teu brilho e poética sorver!
Te abraço MEU IRMÃO!

VIVA A VIDA!
Valvesta disse…
Festejemos, que bom sua presença, obrigada por Florbela,minha predileta,grande abraço no coração, e seja mmmmmmmuuuuiiiittttoooo
bem vindo!!!!!!!!!!!!!!!!!
ღPat.ღ disse…
Que saudades quicas!

Tão bom ter-te de volta meu amigo!
Espero que estejas muito bem!
De um jeito ou de outro, pintou sua poesia. Lindo!

Beijos beijos beijos
Saudades imenso meu amigo.
Um fim de domingo especial e uma semana liiiiinda para si e família!
Valvesta disse…
...ser poeta... é amar-te asssim perdidamente e dezer-te cantando a toda gente...
LINDO !!!
OUVI TANTO QUE ATÉ APRENDI.OBRIGADA,COMO SEMPRE SEU GOSTO APURADO NOS PRESENTEIA COM LINDAS CANÇÕES.
MA disse…
Hola amigo ,linda entrada de blog, un vídeo muy hermoso , ser poeta es ser soñador y bohemio, un trovador en el tiempo .

Gracias por tu visita y comentario dejado con afecto en mi blog .

Un abrazo de MA para ti amigo .
Pérola disse…
Boa tarde meu amado.
Que bom te-lo de volta,fiquei muito felizzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.
Fazes muita falta.
Pois é, eu estou meio doentinha sim,minha garganta está bastante inflamada e meu corpo dói.Mas ñ me impediu de vim aqui e matar as saudades.
Que bom q seu filho já está na tranquilidade do seu cantinho.Fiquei grata com sua visita.
Um beijo amado.
Estarei aqui sempre ok.
Helena disse…
Imagens e palavras que tocam a emoção. E sempre de forma intensa, única e mágica, dando a sensação de estar, de alguma forma, flutuando nas águas desse "rio em si mesmo ancorado"...

Abraço grande e meu carinho, Quicas!
Cris disse…
Palavras fortes. Texto forte, mas lindo e vivido...Vida de poeta.
E para fechar um vídeo com Florbela. Outra que fez de sua poesia história marcante, com palavras que ficaram tatuadas; algumas, tão sofridas....mas lindas!

beijo
Delirius disse…
Puxa vida..., tanto tempo sem dar notícias!...
E eu aqui morrendo de saudades!...
Que bom que estás de volta, e que está tudo bem contigo:))
Que escolha fabulosa para o teu regresso, Florbela e Trovante, meus ídolos desde sempre!...
'brigada por teu carinho lá no meu sítio.
Beijinhos, vê se não te "piras" outra vez, né?!.... ;))
Fatima disse…
Querido Poeta

Sua presença é marcante,sua palavra é sonora,seu coração está em toda parte...
Adorei vir aqui. Aproveito para agradecer sua gentil visita, Conte com meu carinho. Fátima Guerra (Mellíss)
Mar Arável disse…
Do ventre

até à foz

Abraço poeta
José Sousa disse…
Gostei de toda a sua postagem, muito giro, adorei. Vá ate aos meus blogs. www.congulolundo.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com
Um abração
Maria disse…
.... e quando faltou a voz, o homem amou com os olhos, transcendeu os limites da alma. Assim, aconteceu o deleite apenas "ENTRE OLHARES"
Grande abraço amigo e obrigada por visitar-me.
Andri Alba disse…
Ciertamente, el poeta entrega todo, hasta la sangre si es preciso por sus escritos.

Un abrazo y muchas gracias por haberte pasado a mi blog y dejar un comentario.
Espectacular poema! Bellísimo y viceral. Grandioso amigo. Felicitacionmes! Un abrazo.
angela disse…
Linda postagem, muitos amigos e muita qualidade
beijo
Valvesta disse…
Retribuo tua visita com o mesmo carinho, obrigada, bom que gosta de estrelas, cintilam tb por aqui... Beijos de boa noite

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

amor infindo

ternura