Soltaram-se as asas


Deambulavas pelo campo, em tarde chuvosa, melancólico e apreensivo, ansiando primaveras há muito prometidas. Entre os pingos da chuva, qual melodia distante e saudosa, borbulhavam sons familiares, entre-cortados de palavras sentidas, sofridas, caladas.

Passando junto do campanário da velha igreja da aldeia, catavas lá no alto ventos de outras eras, de outros povos, de outros cantos do universo, asas presas na distância, outras paragens, quiçá inventadas, sem dúvida sonhadas, pressentidas.

Nessas longas caminhadas, imerso nas mais estranhas divagações, surpreendias-te aterrorizado no meio de um capim já quase familiar, sobrevivendo, nem sabias como, à mais terrível das emboscadas, vinte e um anos, quase imberbes, suspensos de um golpe de sorte – “ainda” não tinha chegado a tua vez: talvez estivesse já ali, ao findar de um mês demasiado próximo, a menos que te aventurasses “a salto” além da fronteira.

Tudo adiado, tudo em jogo, talvez! Futuro… que futuro?! “Um dia de cada vez” era a frase mais ouvida entre os iguais, sempre com a ténue esperança de que fossem poupados. Quem sabe a tal madrugada chegava, sem aviso prévio, como só poderia ser!?

Era assim que terminavam aqueles dias, era assim que outros mais teimavam amanhecer, cortando as asas aos que ainda se julgavam em tempo de semear enquanto, para os que apenas guardavam alguma reserva de vida para eventual colheita, as tardes se tornavam cada vez mais curtas, as noites mais longas e desesperadas.

Assim mesmo, de facto, entre a surpresa de quem se julgava eterno e a loucura de quem nunca desistira, essa madrugada de promessas despertou: alegre, ingenuamente alegre e sonhadora, disposta a mudar o destino, cravos vermelhos carregando as espingardas trovas, enfim desveladas, transformadas em senha de passagem para a vida!

Nessa madrugada, agora talvez já demasiado distante, até o cata-vento do campanário lá da igreja, nessa aldeia dos confins, soltou asas e se atreveu a arriscar viagens nunca imaginadas, para um futuro, finalmente, palavra-verdade-viva!

Nessa madrugada, como todos os jovens, até então com a vida a prazo, podias escrever, pela própria mão, um livro cheio de páginas de paz e prosperidade.

Foto: Google Imagens

Comentários

Malu disse…
Que bom é poder criar asas e sair voando pelas nostalgias... em luzes e em cores de cataventos.
Adorável seu texto, meu amigo!
Grande abraço
OLÁ !!BOA NOITE!!
"Que sua semana seja repleta de Grandes Alegrias,
e que os anjos de Deus estejam ao seu redor
durante toda essa semana te abençoando
grandemente! Que seu coração e seus sonhos
sejam renovados e fortalecidos por Deus!"
___Que o Grande Deus abençoe você___
e a todos que você ama...
♥DE MARCIA E CARLOS BJOS CARREGADIMHOS DE MUITO CARINHO♥
Antonio Sanches disse…
Olá!... António do Carmo.
Quero pedir-lhe desculpa pelo atraso, mas só agora tive um pouco
de tempo livre para ver o meu blog.
Quero agradecer-lhe a sua preocupação em relação ao estado da minha mãe.
Ela continua em estado de demência tendo momentos, poucos, que parece recuparar mas!...rapidamente volta
ao mesmo.
A vida é assim, temos de recorrer à paciência para levar-mos a 'Cruz ao Calvário'.

Aqui lhe envio o meu email:

antoniojoaquimsanches@gmail.com

Um abraço
António Sanches

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

amor infindo

ternura