Pirilampo


No susto de um momento perdido – atirado, porventura, ao vento distraído – deu um pulo do seu tamanho e ali ficou, mudo e quieto, a pensar com seus botões fosforescentes: agora já não vou a tempo de espreitar o futuro, tão lesto deslizou o presente!

E… despertou para a promessa de um infinito ali mesmo à mão, paciente, pressentido…!

Comentários

olá... visitando.. explorando encontrei seu blog!
divulgo o meu.. passe la e da uma olhadinha...
adorei seu cantinho.. voltarei..
http://pedagogacliceli.blogspot.com/

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

amor infindo

ternura