Assim... Assim...



Em tempo de ser
Que não sente
Ou espera, assim
O presente
Ausente
Brinca: assim!

Neve que se esvai
Persistindo
Muito alva, assim
Ao calor
Derrete,
Finge: assim!

Lágrimas de dor
Da partida
Dolorosa, assim
Nossa vida
Amada
Teima: assim!

Assim, assim
Persiste na essência,
Sente a natureza!

Assim, assim
Rouba, da alegria,
Doce canto à vida!

Foto "Conjuntos", de Quicas, pelos jardins da Gulbenkian - Lisboa http://olhares.aeiou.pt/conjuntos_foto4326790.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

Montanha

À melhor professora do mundo