Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2012

Dói o silêncio que resta

Imagem
Passeavas em meu peito qual princesa de um reino sonhado, vivo e cativante! Cada aurora no meu sonho, sorridente, tu cantavas e, em meus dias, tais momentos eram hinos de prazer infindo!
Onde te escondes agora, por que ocasos te prendeste e, distante, me fugiste… que não te vejo mais?
Dos matinais sons primaveris, só a saudade… triste… - Dói o silêncio que resta!

Joaquim do Carmo
in"Amanhecer pelo fim da tarde"
Foto de um quadro de Vincent Van Gogh

Era uma vez... na tarde

Imagem
Distraída, a tarde esquecera-se do tempo, extasiada na contemplação do astro-rei incandescente, viajante solitário pelo azul cintilante do céu, quase tudo luz, quase tudo brilho, quase, porque as sombras das árvores, dispersas qual baralho de cartas abandonado aos caprichos do vento norte em pleno estio disfarçavam, em segredo, a canícula tão esperada como sufocante, ansiosa do sossego refrescante das fontes!
Lentamente, as cigarras penduravam seus gritos estridentes nos últimos raios solares, já menos abrasadores, repousando na promessa de renovados ardores, cedendo o espaço à saltitante algazarra dos passarinhos espreitando, por entre os folhedos, os despojos que os humanos deixaram pelo chão escaldado e sedento, no rescaldo da espera por um pouco de humidade.
Lá no alto, indiferentes à azáfama do recolher, as gaivotas passeavam-se, altivas, do mar para terra ou da terra para o mar, perscrutando as dunas, ao sabor dos ventos, entretanto mais suaves, indecisas entre o gosto do sal e…

Acordar

Imagem
Teu sorriso de princesa Passou a noite comigo: Nos sonhos, foi chama acesa, Ao acordar, meu castigo!
Joaquim do Carmo
in"Amanhecer pelo fim da tarde"
Foto: “Hint of a smile”, da Joana (http://olhares.sapo.pt/hint-of-a-smile-foto3450963.html)

Pelas ruas das cidades...

Imagem
No firmamento, as estrelas desafiavam a realidade! A cada esquina, como estátuas gélidas e permanentes, mendigos disputavam, impacientes, algum abrigo para mais uma noite à margem da vida. Mais adiante, não menos à margem, de mais vidas se disfarçavam outras esquinas, semelhando-se inteiras, intensas, verdade, na mentira de entregas sonhadas ou iludidas.
No firmamento, as estrelas, por vezes, pareciam cair e, velozes, mudavam-se, apagavam-se ali para brilhar mais além! No seu movimento, assustado e assustador, levavam escondidos sonhos e anseios de olhares vazios de esperança, descrentes de qualquer eternidade.
Pelas ruas, entre esquinas esquecidas, despojadas, resistentes, as estrelas eram sempre cadentes e, mesmo mudando-se, pressentiam cada vez mais distante e apagada a hipótese de algum brilho!
Pelas ruas da cidade, a realidade desmentia o firmamento, cruelmente… tristemente!
Joaquim do Carmo in"Amanhecer pelo fim da tarde"
Foto “Lights in the Moon Road”, da Ju (http://o…