Depressa é... algum tempo!



De novo às voltas com o “problema” tempo, sou levado a pensar que a solução estará tão dentro, tão dentro que, por mais que queira, não a vislumbro! Ou antes, tão à vista, tão ali ao pé, tão a jeito de quem queira, efectivamente, resolver que é possível que a chave esteja “aí”, no… “querer”!

Que o conceito de tempo leva “tempo” a discutir, parece-me evidente; que tudo se complica se, ao tentar compreender este, aparecem outros – por exemplo o de posse: “ter” / “agarrar”… – também e não estaremos senão a tentar “explicar” o momento, pressupondo que, pelo menos metodologicamente, tal abordagem “toca” algo compreensível…

“Tocá-lo”, “agarrá-lo”… será desafio talvez mais aliciante que tentar “compreendê-lo”… mesmo arriscando “perdê-lo”… de vez! “Tê-lo” presente, no presente porém, ininterruptamente, passando…

… depressa? Devagar?… Sem dúvida, o “seu”… (do tempo, obviamente!)

… (pausa para “ganhar tempo”!?)

Sem que alguma vez me tenha faltado “tempo” …

(ou será… assunto?!)

… para trocar estas ideias, resolvi partilhar a convicção de que, da interacção de pensares distintos, ainda que “só por instantes”, podem nascer outro tempo, outros instantes, quiçá novos porque sempre renovados, na vida que com os mesmos se vai preenchendo, apesar da apressada correria dos dias! E a quase certeza de que depressa, é… “apenas” algum tempo… ganho, ou perdido ou… (FIM?…)

Foto “Live” de Gui Oliveira in http://olhares.sapo.pt/live-foto1401432.html

Comentários

Eliéser Baco disse…
Gostei muito. Li no "In_er_te". Aprecio os blogueiros portugueses que tem talento e algo mais no vibrar do mar dessa vida.

caso queira visitar-me:

www.elieserbaco.blogspot.com

grande abraço, parabens!!

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

À melhor professora do mundo

Montanha