Devagar que tenho pressa!

Sempre às voltas com o “problema” tempo, sou levado a pensar que a solução estará tão dentro, tão dentro que, por mais que queira, não a vislumbro! Ou, talvez, tão à vista, tão ali ao pé, tão a jeito de quem queira, efectivamente, resolver que é possível que a chave esteja “aí”, no… “querer”!
Que o conceito de tempo leva “tempo” a discutir, parece-me evidente; que tudo se complica se, ao tentar compreender este, aparecem outros mais – por exemplo o de posse: “ter”… “agarrar”… – e não estaremos senão a tentar “explicar” o momento, pressupondo que, pelo menos metodologicamente, tal abordagem “toca” algo compreensível…
“Tocá-lo”, “agarrá-lo”… será desafio talvez mais aliciante que tentar “compreendê-lo”… mesmo arriscando “perdê-lo”… de vez! “Tê-lo” presente, no presente porém, ininterruptamente, passando…
… depressa? Devagar? … Sem dúvida, o “seu”…! (… tempo, obviamente!)

 (pausa para “ganhar tempo”!?)

Foto " # ", de Gui Oliveira, in Olhares

Sem que alguma vez me tenha faltado “tempo” …

(ou será… assunto?!)

… para trocar estas ideias, resolvi partilhar a convicção de que, da interacção de pensares distintos, ainda que “só por instantes”, podem nascer outro tempo, outros instantes, quiçá novos porque sempre se renovando, na vida que com os mesmos se vai preenchendo, na apressada correria dos dias! E a quase certeza de que depressa, é… “apenas” algum tempo… ganho, ou perdido ou… “simplesmente”, vivido!

(FIM?...)

Joaquim do Carmo in "Nas Entrelinhas do Tempo" (a publicar)

Comentários

lindo texto!!
ps: andava eu a ver a blogosfera portuguesa de certa forma “apaixonada pela escrita” e voilá… uma boa surpresa!!

obrigada pela partilha :))
Patrícia*
rosa-branca disse…
Andamos no tempo sem tempo. Beijos com carinho
Janita disse…
A vida tem de ser saboreada qual iguaria de que gostamos muito e desejamos dure muito...tempo!
Viver apressadamente é deixar passar o tempo sem valorizar os mais ínfimos momentos que nos deliciam.
Por isso, é melhor ir devagar, quando se tem pressa de viver intensamente.
Este é o meu ponto de vista, amigo Quicas. Espero que coincida com o seu! :))

Beijinho amigo!
Querido poeta, belíssima
reflexão.
Já o sigo aqui faz tempo
porem nunca o vi em meu
humilde canto.
Linda semana.
Bjins
Catiaho Alc.
entre sonhos e delírios
manuela barroso disse…
Ah que belíssimo tema pra um debate com um filósofo!
Mas o que é o tempo?
E será que existe tempo? E como se gasta? Porque se corre? Porque nunca chega o tempo? Porque queremos ao mesmo tempo, fugir do tempo, procurando "matar tempo" fazendo nadas que nada dão ao nosso tempo?
Um prazer renovado vir aqui de novo, recordando o tempo... em que desconhecia que ainda viria tempo para o tempo da "nossa" poesia!
Beijinho, querido amigo "Quicas"-Joaquim do Carmo do "Amanhecer".
Parabéns, Poeta!

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

amor infindo

ternura