... de volta ao futuro!



(...) Nessas longas caminhadas, imerso nas mais estranhas divagações, surpreendias-te aterrorizado no meio de um capim já quase familiar, sobrevivendo, nem sabias como, à mais terrível das emboscadas, vinte e um anos, quase imberbes, suspensos de um golpe de sorte – “ainda” não tinha chegado a tua vez: talvez estivesse já ali, ao findar de um mês demasiado próximo, a menos que te aventurasses “a salto” além da fronteira.

Tudo adiado, tudo em jogo, talvez! Futuro… que futuro?! “Um dia de cada vez” era a frase mais ouvida entre os iguais, sempre com a ténue esperança de que fossem poupados. Quem sabe a tal madrugada chegava, sem aviso prévio, como só poderia ser! (...)

Joaquim do Carmo in "Nas Entrelinhas do Tempo" (excerto - a publicar)
Foto: Reprodução de quadro de Vincent Willem van Gogh

Comentários

...as tais madrugadas,
quando chegam,
não fazem
aviso prévio
Andradarte disse…
O que se consegue escrever nas entrelinhas....!!!
Deve ser um sucesso certamente....
Obrigado pela sua presença
Abraço
Oi Quicas
Obrigado por me visitares. Foi uma oportunidade de vir aqui e ler este apontamento escrito com uma esperança de uma madrugada libertadora.
Também passei por lá. Nunca se sabia o passo seguinte... emboscadas...
Janita disse…
Amigo Quicas.

Fico a aguardar a leitura integral de tudo o que foi escrito "Nas Entrelinhas do Tempo" que, a julgar pelo excerto, vai ser muito promissor!

Há madrugadas que chegam sem ser anunciadas e nunca mais nada volta a ser como dantes!

Beijinhos e tudo de bom, meu Amigo.
:)
Lhu Weiss disse…
Olá querido amigo! Há quanto tempo...saudades...Ainda bem que passei por aqui...hoje exatamente um ano após a morte de meu amigo, filho,cachorro...Mickey,estou tentando me recolocar em minhas histórias, mas confesso tem sido difícil...há tempos não posto nada...e agora ainda me recupero demasiadamente devagar de uma uma cirurgia, que para mim está sendo muito difícil ainda acreditar no que aconteceu
Lhu Weiss disse…
mas aos poucos vou tentando encontrar forças...e foi passando aqui e lendo o que escreves...que encontrei paz para um futuro ainda incerto...mas também luz para os dias de hoje. Me desculpe a falta e a ausência mas fugia ao meu controle...talvez estivesse misturando o futuro com o hoje...
Saudades...bom estar aqui! Como sempre
Abraços
Lhu Weiss
Olá, Joaquim!

Um tempo que finalmente chegou ao fim, e com ele o pesadelo de tanta gente acabou.Não só dos que se moviam entre o capim, mas também daqueles que cá de longe sofriam como se lá estivessem...

Bonito texto!

Um abraço
Vitor
Helena Chiarello disse…
"Nas entrelinhas do tempo" já dá mostras de ser intrigante, envolvente e belo como tudo o que escreves...
Que o futuro me traga mais tempo de estar mais vezes por aqui!...
Abraço grande, querido amigo!!
Graça Pereira disse…
Mas houve um futuro! Ainda bem... e eu, vou estar aqui para te ler!
Abraço e boa semana
Graça
Graça Pereira disse…
Mas houve um futuro! Ainda bem... e eu, vou estar aqui para te ler!
Abraço e boa semana
Graça
Mar Arável disse…
Tudo pelo melhor

Sotnas disse…
Olá prezado Joaquim, e que tudo esteja bem contigo!

E por cá venho eu novamente, ainda que um tanto atrasado, mas, em qualquer tempo é sempre tão envolvente os teus escritos, pois sempre transporta intensos sentimentos em forma de letras para este teu agradável espaço e compartilha com os amigos, obrigado!
E já que por cá estou, aproveito para agradecer também por tuas sempre tão gentis visitas e comentários deixados por lá, e também desejar que seja sempre deveras feliz o teu intenso viver, um grande abraço e até mais!
. intemporal . disse…
.

.

. como (me) revejo neste excerto .

.

. um abraço .

.

.
Muito bom o seu blog, estive a percorre-lo li alguma coisa, porque espero voltar mais algumas vezes,
deu para perceber a sua dedicação em partilhar o seu saber.
Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante.
E se gostar e desejar comente.
Que Deus vos abençõe e guarde.
António.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

Montanha

À melhor professora do mundo