Montanha



São muito raros os meus 'intervalos', na rotina de dias cansados e, mesmo assim, felizes, com que a vida me tem presenteado! Nesses momentos, descansados e despretensiosos, o papel joga ao esconde-esconde com a pena, um jogo intermitente que, não fora a persistência da pena

- ou será do 'esconderijo'?! Não sei mas... também não vem para o caso! -

sim, persistência, o papel jamais mudaria de aspecto, tão pálido tem andado há demasiado tempo! E aquela indecisão no alinhar das palavras, poesia, prosa, coisa nenhuma... bem, hoje, como tantas outras vezes, só Sophia para me ajudar a escalar a 'Montanha'!

E partilho-a convosco:

"MONTANHA

Vi países de pedras e de rios
Onde nuvens escuras como aranhas
Roem o perfil roxo das montanhas
Entre poentes cor-de-rosa e frios

Transbordante passei entre as imagens
Excessivas das terras e dos céus
Mergulhando no corpo desse deus
Que se oferece, como um beijo, nas paisagens."

Sophia de Mello Breyner Andresen, "Poemas escolhidos"
Imagem: Quadro: Ravine, de Vincent van Gogh, 1889

Joaquim do Carmo

Comentários

Lídia Borges disse…

Foi bom passar por aqui. E Sophia é sempre uma aposta no belo.

Um beijo

Lídia
É sempre bom receber a sua visita, Lídia, obrigado! Abraço
manuela barroso disse…
Saudades de o ver por aqui! Subi a montanha de uma beleza de maio, li Sofia, que mais podia querer? Um abraço!só podia ser!
Belo espaço, Joaquim!
Onde existe poesia,
Luz, amor e fantasia,
Fazendo-o tão belo assim!

Poesia para mim
É vida do dia a dia
Que nova vida procria
Em profusão e sem fim.

A poesia dá luz
Ou pare o que nos seduz
Que é a real beleza

Do que encanta e induz
Ao que a alma faz jus:
O clarão da luz acesa.

Grande abraço. Laerte.

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

À melhor professora do mundo

amor infindo