Amor ausente



Quando a distância afasta os corações
E, de um sorriso, só resta a saudade,
Tão leve é o brilho da felicidade
Que, de alegria, só dá ilusões!

Nem o trinar de suaves canções
De aves, louvando sua liberdade,
Vence a tristeza que minh’alma invade,
Nem verdes árvores nem, do sol, clarões!

Tudo, na ausência, é solidão agreste,
Cair da folha, vento, tempestade,
Noite sem estrelas, rouca voz distante!

Oh doce amor que, à vida, me prendeste:
Vem, dá alento à chama que, em mim, arde!
Vem, sê aurora em meu peito vibrante!

Joaquim do Carmo
in "Amanhecer pelo fim da tarde"

Foto “When the dark overcomes the light”, da Joana

Comentários

Em romaria no Santuário de Aparecida, a lembrança de inserir tua pessoa e a de Vasco em orações agradecimentos, nos marcou, pois nesse instante mesmo,em capela lateral dos anjos,Gloria em cantata de Bach, soou em tímpanos e corações nossos,voces são abençoados!

Hugsssssssssssssss

RE E RI

Mensagens populares deste blogue

coroai-me de rosas

ao nosso amor, um poema, hoje, cristal

13 de Junho de 1948 - Carolina

Montanha

À melhor professora do mundo